Não nascemos prontos.

 

Não nascemos prontos, essa é a frase que devemos fixar na nossa mente. Assim, estaremos abertos para novos conhecimentos e menos cobranças de perfeição e poderemos realizar investimentos pessoais e profissionais cada vez melhores.

Veja bem. Geralmente, com 12 meses, o bebê já articula pelo menos quatro palavras e aos 2 anos já consegue formar uma frase com duas ou três palavras, tendo um vocabulário de cerca de 50 palavras, que aumenta para 200 palavras aos 3 anos de idade.

 

Com isso podemos observar que tudo na nossa vida leva um tempo para o aprendizado,porém cada pessoa desenvolve  em seu próprio tempo as habilidades linguísticas, levando assim para vida adulta e a vida profissional.

 

Como assim? 

 

O diferencial de um profissional no mercado é a capacidade de comunicação, muitos entendem como comunicação apenas a fala, esquecem que a escrita é primordial, afinal quem escreve bem, por consequência fala muito bem também.

 

Muito se fala em capacitar o profissional para outros idiomas. Por exemplo, o inglês e o espanhol são sempre mais exigidos. Mas e o português? Estamos lidando da forma correta com a linguagem escrita da nossa própria língua?

Atualmente, pelo fato da linguagem virtual ser mais informal, acabamos por nos habituar a novos costumes de linguagem e escrita que podem nos prejudicar no momento em que escrevemos relatórios, e-mails ou até mesmo um artigo, ou seja, cometemos sérios erros ortográficos, gramaticais e de coesão, alguns deles são “vc” “pq” “td” dentre vários outros vícios de linguagem.

 

Mas então como se manter no mundo virtual com linguagem informal, se precisamos da linguagem formal no trabalho e no dia a dia ?

 

Lembra no início deste artigo, quanto enfatizamos que “não nascemos prontos“? 

 

Por isso, capacitar-se e preparar-se para o mercado de trabalho é uma escolha. 

Segundo o portal G1 em uma matéria que aborda sobre a linguagem escrita e linguagem oral, “Na comunicação pela fala, tem-se toda uma possibilidade de se fazer entender através de gestos e expressões. Ela é direta. Com a escrita não. Temos que usar uma maneira única para que a comunicação realmente aconteça. Se cada um for escrever de um jeito diferente, dificilmente algo será comunicado. Assim, faz-se necessário ter uma forma oficial. Ela vale para a fala e a escrita, mas é mais rígida com a segunda.

 

A questão agora é: você quer estar pronto?

 

O profissional que quer se destacar no mercado é aquele que busca atingir resultados de maneira rápida e objetiva. E para isso, existem técnicas e métodos mais diretos para o crescimento e desenvolvimento, principalmente em relação à  escrita.

 


Você precisa entender que a forma que você se comunica por meio da escrita abre e fecha portas profissionalmente.e você ainda não tinha pensando nisso, agora quero te fazer pensar, quero te ajudar a solucionar e construir melhor a sua comunicação escrita.

 

Não seja mais alvo de enganos nem dúvidas! Clique